Castro de Vila Nova de S. Pedro no Congresso dos Arqueólogos Portugueses

30 novembro 2017

Castro de Vila Nova de São Pedro
Castro de Vila Nova de São Pedro

Realizou-se, na passada semana, o II Congresso da Associação dos Arqueólogos Portugueses. Entre os dias 22 e 26 de novembro, o Museu Arqueológico do Carmo e as faculdades de Letras da Universidade de Lisboa e de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova foram palco de diversas comunicações, no âmbito da divulgação, discussão e debate científico dos estudos e intervenções arqueológicas realizadas por arqueólogos portugueses e também estrangeiros que trabalhem no território português ou sobre contextos relacionados com a presença portuguesa no Mundo.
A integrar o programa do evento esteve a palestra intitulada “Vila Nova de S. Pedro, no 3º milénio, um sítio calcolítico no Ocidente peninsular”, orientada por Mariana Diniz, Andrea Martins, César Neves, Francisco Sande Lemos e José M. Arnaud. Estes arqueólogos são coordenadores do VNPS – 3000, um projeto interdisciplinar do Centro de Arqueologia da Universidade de Lisboa (UNIARQ) e da Associação dos Arqueólogos Portugueses (AAP), apoiado pela Câmara Municipal de Azambuja e pela União das Freguesias de Manique do Intendente, Vila Nova de São Pedro e Maçussa, cujo objetivo passa pela valorização científica, patrimonial e social do Castro de Vila Nova de São Pedro.
O evento incluiu ainda, no seu programa, uma visita ao Castro, sob o mote “Entre o Ribatejo e a Estremadura. Povoados fortificados pré-históricos… sem esquecer o antes e o depois” e guiada pela equipa VSPN 3000. Cerca de 50 visitantes, que participaram no restante congresso, deslocaram-se até ao local, onde foram recebidos pelo presidente da União de Freguesias de Manique do Intendente, Vila Nova de São Pedro e Maçussa, José Avelino. Para o autarca, este passeio foi “bastante proveitoso”, uma vez que considera que a visibilidade dada ao monumento pode impulsionar o turismo e a valorização não só do alto concelho, mas de todo o território de Azambuja.
Classificado como Monumento Nacional, desde 1971, o Castro de Vila Nova de São Pedro foi ocupado no final do neolítico (cerca de 3500 a.C.) e habitado no Calcolítico, período entre há cerca de 3500 a.C. e 2200 a.C.
TH 2017